Páginas

1.2.18

O BAIRRO DE BOTAFOGO E O HOTEL DESIGN DE PHILIPPE STARCK

Apenas 15 minutos depois de desembargar no Santos Dumont, você está em Botafogo. Do aeroporto ao bairro, pelo Aterro do Flamengo, você serpenteia a Baía de Guanabara e vê o Museu de Arte Moderna (MAM - um clássico da arquitetura assinado por Reidy), o Monumento aos Pracinhas (homenagem aos soldados da Segunda Guerra Mundial), a Marina da Glória e a Praia do Flamengo.

FOTO MB: NA PISTA DO SANTOS DUMONT
FOTO MB: ATERRO DO FLAMENGO | MONUMENTO AOS PRACINHAS
FOTO MB: PISTA NO ATERRO DO FLAMENGO

Com o espírito de viajante que me habita, se houvesse uma máquina do tempo eu partiria para o ano de 1925 e fincaria pé na cidade de Dessau. Lá conversaria com Gropius, Kandinsky, Paul Klee... Já que não é possível, nada como aproveitar a possibilidade de visitar os designers modernos e contemporâneos. Foi assim que me hospedei no Yoo2 Rio de Janeiro, em Botafogo, o bairro queridinho da vez.

FOTO MB: UMA PINTURA ATRAVÉS DA JANELA DO OITAVO ANDAR 
FOTO MB: A INSPIRAÇÃO CONTEMPORÂNEA DE STARCK | AULA DE DESIGN 1
FOTO MB: AULA DE DESIGN 2
FOTO MB: AULA DE DESIGN 3
FOTO MB: AULA DE DESIGN 4 | ELEVADOR INTERNO | INSTALAÇÃO NO BAR



Perto da Enseada de Botafogo, entre as Ruas São Clemente e Voluntários da Pátria, ao lado da estação do metro, o movimento é grande. Vários botecos antigos, galerias com cinema, livrarias e lojas de bairro tradicionais. Na Fernandes Guimarães tem um novo point de cafés, bares, restaurantes e outras opções de lazer. São pequenos negócios de perfil caseiro e proposta descolada que vem movimentando a região. Na Nelson Mandela acontece o mesmo e na Visconde de Caravelas o Aurora se mantém firme e forte. A noite em Botafogo é intensa.
FOTO MB: O PASSEIO DIURNO PELO BAIRRO DE BOTAFOGO | CASA DE RUI BARBOSA | RUA SÃO CLEMENTE


30.1.18

MANHATTAN, AGAIN!

Assim que recebi o save the date para o casamento na Brotherhood America's Oldest Winery comecei a organizar a viagem para NY. Em 2013 havia caminhado por Manhattan, de norte a sul, a pé ou de metro, e me hospedei em Astoria | Queens. Era final de novembro e o frio estava próximo. Quatro anos depois, na primavera, a programação seria outra: hospedagem dividida entre Manhattan, Brooklyn e New Jersey | Harriman (para o casamento propriamente dito). Foi mais ou menos assim:


FOTO MB: O MAIOR TERMINAL METROVIÁRIO DO MUNDO VALE A VISITA
FOTO MB: OS LUSTRES DA GRAND CENTRAL DÃO BOAS VINDAS 

A escolha dos hotéis

Em Manhattan, me hospedei no Pod 39 (145 E 39th St), já que a intenção não era desfrutar do hotel e sim das ruas, teatros e museus da região. Como deixa claro no nome, o quarto do Pod é uma ervilha de tão pequeno. Mas, a localização, os serviços e o rooftop compensam "o aperto". O Pod 39 está a uma quadra da Park Avenue, na altura da Grand Central Station, duas quadras até a Lexington e três até 5th Avenue. Para chegar lá pensei no ônibus NYC Airporter, que sai do JFK e faz parada na Grand Central, mas acabei indo de van: mais rápido e pouco mais caro, o que se justifica com o conforto de desembarcar na porta do hotel. No Brooklyn a opção foi o Even, um hotel de conceito sustentável, de ótima relação custo x benefício, praticamente dentro de uma estação de metro (Nevins), acessível ao DUMBO e próximo da Brooklyn Bridge. Perfeito!

FOTO MB: NO BROOKLYN, À CAMINHO DO DUMBO.

Roteiro cool permeado de “turistices”

No meu roteiro estava norteado pelos museus. Encabeçava a lista o Smithsonian Design (2E 91St entre a 5th e a Madson), mas lá não cheguei. Não deu tempo, gente! Mas tenho perdão: retornei no Guggenhein e visitei outros. O MET (1000, 5fth Ave com E 82nd St), o MoMa e o Museu de Arte e Design na Columbus Circle. O de História Natural ainda não me motiva e ficará para depois também.

FOTO MB: ESSA "SOMBRA" ARTICULADA COMPRADA NA LOJINHA DO MoMa RENDEU UMA ANIMAÇÃO ACADÊMICA PARA A MINHA GRADUAÇÃO NA UTFPR :)

Em NY não há como deixar de rever os pontos tradicionais, tais como o Central Park. Dessa vez comecei pelo Harlem, na entrada do lado west, passei pelo Reservatório, pelo Belvedere Castle e pelo Shakespeare Garden, para alcançar a rua na altura do Museu de História Natural.  Estava indo em direção à Broadway.


FOTO MB: A PARTE UPPER WEST SIDE / NORTH DO CENTRAL PARK É A MAIS TRANQUILA 


FOTO MB: CAMINHAR PELO CENTRAL PARK TEM REGRAS. O SENTIDO DA CORRIDA OU CAMINHADA É ANTI-HORÁRIO. UMA PISTA PARA VEÍCULOS DE MANUTENÇÃO, OUTRA PARA BICICLETAS E A TERCEIRA PARA PEDESTRE. NÃO SE ATREVA ERRAR DE PISTA!


FOTO MB: A CAMINHADA DO HARLEM ATÉ O TEATRO MERECEU ALGUNS MINUTOS DE DESCANSO NO COLUMBUS CIRCLE | HORA DO ALMOÇO NA BOUCHON BAKERY, DO THOMAS KELLER, DO REQUINTADO THE SHOP. SEMPRE FAÇO ESSA FOTO.

Passei no Rockefeller Center, no Battery Park e na Time Square. Ampliei o circuito turístico e fui ver a conclusão do Ground Zero. Tinha que ver, né? É lá o shopping do Santiago Calatrava, da qual sou admiradora desde que visitei o Museu do Amanhã (Rio de Janeiro). Um arraso, o tal do Westefield Word Trade Center.


FOTO MB: FREEDOM TOWER
FOTO MB: MEMORIAL

FOTO MB: ENTRADA DO WESTFIELD WORLD TRADE CENTER ( O INTERIOR É DE CAIR O QUEIXO) QUE DÁ ACESSO AO METRO. O PÁTIO DOS FUNDOS É PRATICAMENTE UM SKATE PARK E NOS FINAIS DE SEMANA ABRIGA UMA FEIRA DE ORGÂNICOS
FOTO MARIA CLARA BASTOS: ROCKEFELLER CENTER | 48th St entre 5th e 6th Avenue. NO INVERNO O LUGAR DAS MESAS SE TRANSFORMA NO RINQUE DE PATINAÇÃO MAIS FAMOSO DA CIDADE | A BAILARINA - Seated Ballerina“ - DE JEFF KOONS OCUPAVA O LUGAR DA ÁRVORE DE NATAL E ALERTAVA SOBRE O MÊS NACIONAL DAS CRIANÇAS DESAPARECIDAS


FOTO MB: BATTERY PARK | Peter Minuit Plaza. AQUI OS DESTAQUES FORAM DOIS. O PRIMEIRO DELES É O SEAGLASS - O CARROSSEL QUE REPRODUZ UM AQUÁRIO, OU SEJA, VOCÊ SENTA EM PEIXINHOS FOSFORESCENTES QUE RODOPIAM, SOBEM E DESCEM COM MÚSICA E LUZES. SÃO POUCOS MINUTOS DE INFÂNCIA QUE ENCANTA QUALQUER MARMANJO! É MUITO MAIS DIVERTIDO DO QUE SE PODE IMAGINAR


PRINT DE TELA DO VÍDEO DE MB: BATTERY PARK | SEAGLASS 

FOTO MARIA CLARA BASTOS: O SEGUNDO DESTAQUE FICOU POR CONTA DA INESPERADA APROXIMAÇÃO DE UM ESQUILO QUE A-D-O-R-A AMENDOIM. CLARO QUE NÃO DÁ PARA DESPREZAR A VISTA DA BAÍA DE NY COM A ESTÁTUA DA LIBERDADE AO FUNDO, O MEMORIAL DA MARINHA MERCANTE E A VISITA AO CASTLE CLINTON PARA COMPRAR OS INGRESSOS DA ESTÁTUA DA LIBERDADE

Ah, as lojas! 
Difícil caminhar pela cidade e ignorá-las totalmente. Convenhamos, olhar não custa nada, certo? Então, no trajeto do meu roteiro cool, eu visitava uma ou outra. Meu modesto interesse era pela Eataly, que estava mais acessível, pois eu estava longe de São Paulo. Confesso que a proximidade do nascimento do meu primeiro sobrinho neto me fez visitar as lojas infantis. Resumo da ópera, visitei muitas lojas no caminho para o MoMa. Só na 5th Avenue, tem-se a Sacks, praticamente em frente ao Rockfeller Center; a Tiffany no nº 727; o cubo da Apple, no 767; Bloomingdale's; Nordstrom; Macy’s; Sephora; HM; a Century 21, perto do Lincoln Center. Meu ponto fraco mesmo é uma daquelas farmácias que vendem de tudo: gasto horas na CVS, na Duane Reade e na Walgreens. O bom é que a maioria delas funciona 24hs e tem uma em cada quarteirão daquela cidade!

Voltando ao roteiro cool, o Lincoln Center não pode ser esquecido. Vale até mesmo só caminhar pelo belo complexo que abriga a Metropolitan Opera, o New York City Ballet, a New York Philarmonic, a Julliard School, entre tantos outros projetos. Ah, visitar o American Folk Art Museum. O museu é interessante, tem entrada “paga quem quer e o quanto quiser” e sua lojinha é uma graça. Sim, sou rato de lojinha de museu. Uma feira de produtos orgânicos montada na praça também é bom de visitar para fazer um bom lanche natural em uma de suas barraquinhas.
  
FOTO MB: AO REDOR DO LINCOLN CENTER

Finalmente fui à Broadway assistir Wicked, no Gershwin Theatre da 222 West 51st Street, com ingressos comprados com antecedência pelo Broadway.comMusical encantador!


FOTO MB: OLHA ESSE DRAGÃO, GENTE! TEATRO LOTADO, CLARO. A ENTRADA DO TEATRO É UM VERDADEIRO BARATA VOA E O INTERVALO É TÃO PEQUENO QUE NÃO DÁ TEMPO PARA NADA.  CHEGUE CEDO

A outra meta dessa viagem era esmiuçar Midtown West e conhecer o High Line Park, combinado com o Chelsea Market. O Hell’s Kitchen ficou para próxima, mas no Garment District encarei até a Carlo’s Bakery, no circuito entre a Times Square, a Penn Station e o terminal de ônibus Port Authority. Aff!


FOTO MB: O LOBSTER PLACE É IMPERDÍVEL. A SOPA DE LAGOSTA É RECONFORTANTE E A DESCONTRAÇÃO DO LUGAR TRADUZ O ESPÍRITO DO CHELSEA MARKET.

FOTO MB: NO CAMINHO DO HIGH LINE
FOTO MB: O HIGH LINE PAIRA ACIMA DO NÍVEL DA RUA QUE CONTORNA O MEATPACKING DISTRICT E CORTA OS EDIFÍCIOS DO CAMINHO. ALIÁS, CAMINHO COM BANCOS CONFORTÁVEIS, MIRANTE E STANDS DE COMIDA. 
FOTO MB: O JARDIM SUSPENSO NO TRILHO DO TREM ESTÁ SEMPRE CHEIO DE GENTE. TEM ARTE, ARQUITETURA, FLOR EXÓTICA E  INSTALAÇÃO SENSORIAL PARA SEREM VISTAS, NO MEU CASO, MESMO COM A GAROA QUE INSISTIA EM CAIR...
FOTO MB: DO HIGH LINE É POSSÍVEL QUASE TOCAR AS CURVAS DO ZAHA HADID BUILDING | 520 West 28th| QUE TEM 3DIMAX PRIVADO E MANOBRISTA ROBOTIZADO, ALÉM DE OBSERVAR VÁRIAS INTERVENÇÕES URBANAS


FOTO MB: PRÓXIMO DA TIMES SQUARE TEM O MADAME TUSSAUDS COLADO NO RIPLE'YS BELIEVE IT OR NOT REPLETO DE COISAS INUSITADAS E INACREDITÁVEIS. TEM O MUSEU HOUDINI LÁ PARA OS LADOS DO TRADICIONAL HOTEL PENNSYLVANIA. PARA ISSO BASTA SEGUIR PELA 7th AVE COM UMA PEQUENO DESVIO NA W42nd ST


OUTRAS POSTAGENS SOBRE NY

UM DIA DEDICADO AO SUL DE MANHATTAN






A CAMINHO DA TORRE DE BELÉM: PASTÉIS, MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS E CENTRO CULTURAL DE BELÉM

Para alguns lugares que visitamos só cabe o registro fotográfico, afinal, falta falar alguma coisa sobre, por exemplo, a Torre de Belém? Pois é, fica aqui o meu olhar sobre tudo que vi e vivi nesse dia, que começou cedo em Alfama, à procura de passamanarias e cordoamento para cortina, antes de seguir para o ponto do ônibus (ops! autocarro) que nos levaria até a famosa "única fábrica dos pastéis de Belém". Foi ali que abandonamos o autocarro para seguir a pé por Belém.

FOTO MB: FACHADA E INTERIOR DA LOJA-FÁBRICA 

FOTO MB: A LINHA DE PRODUÇÃO DOS PASTEIS | OUTROS DOCES PORTUGUESES | O SALÃO MAIOR NO INTERIOR DA FÁBRICA
FOTO MB: PERTO DALI, A CAMINHO DA TORRE DE BELÉM, O JARDIM VASCO DA GAMA
FOTO MB: NO MEIO DO CAMINHO HAVIA O MONUMENTAL MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS, CONSTRUÍDO PARA SER O MAUSOLÉU DE D.MANOEL. PARADA OBRIGATÓRIA

FOTO MB: O MOSTEIRO DO SÉCULO XVI IMPRESSIONA POR FORA...

FOTO MB: ...E IMPRESSIONA POR DENTRO

FOTO MB: INSPIRAÇÃO EXPONTÂNEA E SIMULTÂNEA DE FOTO

FOTO MB: DOS JERÓNIMOS PARA O JARDIM DA TORRE DE BELÉM IMPLICA UMA CAMINHADA DE 2km. HÁ SURPRESAS NO CAMINHO, COMO ESSA FONTE D'ÁGUA PRESERVADA. IMPLICA ATRAVESSAR AS AVENIDAS ÍNDIAS E BRASÍLIA, QUE PODE SER FEITO POR UMA PASSARELA DE PEDESTREFOTO MB: A VISÃO QUE SE TEM NA TRAVESSIA DA PASSARELA DE PEDESTRE

FOTO MB: NA TORRE TEM MAQUETE PARA FOTO, LOJA DAQUILO QUE CHAMEI DE ARTIGO DE PRIMEIRA NECESSIDADE (O CHAPÉU DE CHUVA) E MUITA BELEZA

FOTO MB: O INTERIOR TEM ALGUNS ACESSOS MUITO ESTREITOS, MAS A VISTA COMPENSA



26.1.18

CHIADO: O BAIRRO DESCOLADO DE LISBOA

Uma caminhada pelo Chiado revela surpresas. O bairro é cheio de lojas tradicionais, tais como a Livraria Bertrand (1732), o Armazéns do Chiado, A Brasileira, a Ourivesaria Aliança (1909), a Paris em Lisboa (1888). Ou seja, se você só tiver tempo de caminhar por uma única rua do bairro, escolha a Rua Garret. Ela começa no Armazéns e termina no Largo do Chiado, na escultura do Fernando Pessoa.

FOTO MB: TEM MUITA GENTE NA RUA, MAS OS FACHADAS SÃO BELÍSSIMAS
FOTO MB: JÁ ERA NOITE E TINHA UM CARRO ESTACIONADO NA PORTA DA LOJA. DENTRO NÃO SE PODE FOTOGRAFAR. FIQUEI COM ESSE ÚNICO REGISTRO...
FOTO MB: NO LARGO DO CHIADO, UMA LOJA TODINHA COM AS PORCELANAS DA VISTA ALEGRE. AMO TANTO QUANTO OS AZULEJOS PORTUGUESES. ESSES ABAIXO SÃO DA CAPELA DOS LENCASTRES | NO CONVENTO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA (BAIRRO ALTO)


FOTO MB: ESTICANDO A CAMINHADA EM DIREÇÃO AO ROSSIO O ENCANTAMENTO CONTINUA. O RESTAURANTE LEÃO D'OURO GARANTE UMA ÓTIMA REFEIÇÃO.
FOTO MB: OUTRA SURPRESA DO CAMINHO FOI ENCONTRAR A BARRAQUINHA DE CASTANHAS