Páginas

Mostrando postagens com marcador gastronomia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gastronomia. Mostrar todas as postagens

11.2.16

A TRIVIAL BOA MESA SEVILHANA







FOTOS MB: SEM ENDEREÇO CERTO... OLHE, SE ENCANTE E DESFRUTE 

1.5.13

GASTÓN ACURIO E O TANTA: GASTRONOMIA PERUANA

Desde ontem, o restaurante Astrid y Gastón  figura em 14º lugar na lista dos 50 melhores restaurantes do mundo. Lá não fui, mas conheci de perto a proposta de Gastón Acurio para a culinária peruana em duas outras das suas casas - La Mar e Tanta. Diante do prato já vazio no Tanta (que virou minha menina dos olhos, já que não sou fã de ceviche) eu entendi a escolha do seu nome após saborear a quantidade certa de cada ingrediente, identificar em separado todos eles e me deliciar com o conjunto. Restaurante Internacional, o Tanta “tempera” o prato com ingredientes tradicionais da cozinha peruana e deixa saudades. Perdoem tantos elogios, mas o que posso fazer se foi lá que comi o mais fresco e saboroso tiratido, a melhor huancaína, os melhores lomo saltado, ají de galinha e risoto de lagostin à moda da casa?

MAIS EXPERIÊNCIAS, DIGAMOS, GASTRONÔMICAS EM LIMA

FOTO MB: ANTICUCHOS E ARROZ DE PATO NO RESTAURANTE CRIOLLO EL BOLIVARIANO

A lista de pratos típicos é grande. Para conhecer alguns deles passei pelo EL BOLIVARIANO, em Pueblo Libre, que é muito interessante, principalmente pela cordialidade com a qual os clientes são recebidos e pela proximidade do Museo de Antropologia (que não é o Museo Larco). Lá provei de tudo um pouco: pisco, chicha morada, anticucho... mas o prato escolhido foi arroz de pato. Para café ou lanchinho da tarde, eu só pensava no MANOLO CHURROS, em Miraflores. Criado em 1968, é uma instituição. Não há quem na volta para casa não dê uma passadinha por lá para comprar uma porção de churros sem recheio e sair caminhando comendo como se fosse pipoca. Eu só comprava os recheados com doce de leite, para mim ma-ra-vi-lho-sos, de massa crocante e pouco doce. Perto dali, ainda na Avenida Larco, outra boa opção é o Café Suisse – La Tiendecita Blanca, com mesas na calçada.

FOTO MB: O CAFÉ CUSQUENHO E O QUESO HELADO DE AREQUIPA NO LA PASTELERA

O tacu-tacu eu experimentei no Centro Histórico, em um restaurante da Pasaje Santa Rosa que não lembro o nome; o queso helado (de Arequipa) foi em Barranco, no LA PASTELERA e o BEMBO´S – espécie de Mc Donald’s com alguns sanduíches, digamos, peruanos – também é bem honesto e fácil de encontrar. O mais curioso dele é que as lojas não seguem uma identidade visual e, além de mostarda, ketchup e maionese, disponibilizam salsa de ají picante.

FOTO MB: HELADO DE PALO DE LIMÃO DA NESTLÉ. GOSTEI NÃO! 

Muito comum é encontrar uma CHIFA, restaurante de comida chinesa com influências peruanas. Não tive oportunidade de experimentar e não me senti atraída pela ideia, mas dizem que as melhores chifas estão no Jirón Capón, a Chinatown limenha, nas proximidades da Plaza de Armas.

FOTO MB: O MARCIANO DO MANOLO. PEDI UM CACHORRO QUENTE DE FORNO E RECEBI TUDO ISSO

TOME NOTA:
Ceviche (peixe cru marinado em suco de limão) / Lomo Saltado (tirinhas de filé salteado com cebola e tomate) / Ají de Gallina (frango com molho apimentado acompanhado de arroz) / Chicharrones (porção de carne suína frita, tipo um torresmo) / Cuy (porquinho da índia assado) Anticuchos (coração de boi) / Tiratido (entrada, petisco) / Tacu Tacu (purê de arroz e feijão, ou só de arroz, ou só de feijão)/ Causa (bolo de batata, parecido com a madalena, recheado  com maionese)/ Queso Helado (aquilo que identifiquei como raspadinha de leite [soro] com canela)

24.2.12

GASTRONOMIA MEXICANA: MILHO, FEIJÃO, TOMATE, PIMENTA E ABÓBORA

São pelo menos cinco os ingredientes que não podem faltar na refeição do mexicano - maíz, frijol, tomate, chile y calabaza. Eu acrescentaria a tequila. Todos esses ingredientes fazem parte da dieta brasileira, mas, definitivamente, não fazemos o mesmo uso deles.
FOTO MB: CAFÉ DA MANHÃ - EU NEM OLHAVA PARA OS FRIOS E O IOGURTE, NO MÁXIMO, UM SUCO DE LARANJA E CENOURA

Imbuída de curiosidade antropológica, experimentei de tudo: enfrijolada* no café da manhã, pan de elote** com chocolate quente no lanchinho da tarde (sim, porque depois do café da manhã era impossível almoçar) e pozole*** no jantar.

FOTO MB: VARIANDO COM OVOS MEXIDOS E SALSA JALAPEÑA

* Tortilha de milho, recheada com frango ou carne picante ou queijo añejo (típico mexicano, parecido com o feta, só que é feito com leite de vaca - delícia. Na minha opinião, só perde para o Oaxaca), coberta com creme de feijão (uma espécie de tutu feito com oleo de milho e sem farinha) e cebola picada.
** bolo de milho
*** pozoles são cozidos com muito caldo e pimenta. Podem ser de qualquer coisa - macarrão, camarão, frango, norteña, com abacate, feijão... mexicanos adoram isso.

COMIDA DE RUA


FOTO MB: GAFANHOTO FRITO, TÔ FORA! DIZEM QUE TEM GOSTO DE CAMARÃO... PROTEÍNA PURA!

A oferta de comida de rua é farta e, em alguns casos, muito estranha. Chapulín frito, com ou sem pimenta, é uma delas. Batatas chips com pimenta, servida em copos plásticos, é outra. Aliás, a comida de rua é servida em pratos descartáveis envoltos em saco plástico para evitar o descarte do prato e não acompanha talher.

FOTO MB: O COLORIDO DOS DOCES É ATRAENTE. O DE BATATA DOCE É MUITO BOM E O DE LEITE NÃO É MUITO DOCE. ALIÁS, SAL É POUCO USADO E O AÇUCAR TAMBÉM

FAST FOOD MEXICANO, CAFÉS E CONFEITARIAS

A rede Potzollcalli é uma das opções de restaurante de comida mexicana do dia-a-dia. A variedade é grande e o cuidado no preparo das refeições é notório, tanto quanto o gosto dos nativos pela Starbucks. As filas para o cafezinho (para espantar a tequilera de la tarde = preguiça) são sempre grandes. Agora, quer conhecer o paraíso dos doces? Vá na Pasteleria Ideal, fundada em 1927. Prepare-se, você encontrará pelo menos outras 100 pessoas fazendo o mesmo que você!
    
 FOTO MB: PASTELERIA IDEAL - AV. 16 DE SEPTIEMBRE, 18 - C.H.

FOTO MB: OUTRA BOA OPÇÃO É SABOREAR UMA DOÑA COM UM CAFÉ DE ALTURA DA FINCA SANTA VERACRUZ


CHEFS E RESTAURANTES

Um dos restaurantes mais tradicionais é o Café de Tacuba - imperdível também porque funciona em uma casa do século XVII e tem ótimos músicos; o restaurante da Sanborns, que funciona no belíssimo prédio da Casa dos  Azulejos, na Madero; o Izote de Patricia Quintana em Polanco. Se você não fizer reserva, desista e contente-se com os maravilhosos molhos daquela cozinha comercializados em alguns supermercados.

FOTO MB: A COZINHA TLAXCALA (OLLA DE REZ) PODE SER SABOREADA NO RESTAURANTE SAN FRANCISCO, QUE FUNCIONA NA ANTIGA CASA DE JOSE MARTI

Além disso, não podemos esquecer citar iguarias e lugares imperdíveis: epazote, nopales, pastéis de elote, chocolate mexicano, tacos el pastor - feitos com lombo de porco (assado em espeto vertical), chili, abacaxi, alho e cebola e servidos em uma tortilhas de milho – que são vendidos em qualquer canto da cidade; ovos rancheros; frijoles com chiles; firmamento de chorizo, café de olla e champurrado; escamoles, guzanos e cuitlacoche; Biko - Presidente Masaryk, 407 - Polanco; Pastelaria Artesanos Del Dulce, também em Polanco; El Bajio - Alejandro Dumas 7 ou Reforma 222; El Cardenal – Palma 23, pertinho do NH hotel.

27.2.10

SALTA, DA MÚSICA E DOS SABORES REGIONAIS

Música é o que não falta na cidade. Todas as noites vários grupos se apresentam no “calçadão” dos bares, ou seja, ao redor da Plaza 9 de Julio. Durante o consumo de uma única garrafa de cerveja Salta ( a negra é mais saborosa) é possível ouvir El condor pasa de várias maneiras: cantada em espanhol ou em quíchua, tocada em guitarra ou em zampoña, nas caixas de som "estacionadas" nas esquinas... Além disso, os restaurantes fazem vasta divulgação de peñas (ato de comer parrilla ao som de música gaúcha e dança): La Vieja Estación, La Panadería del Chuña e La Cacharpaya, são espaços muito populares.
Foto: MB - na Plaza 9 de Julio, um convite para la zamba

No carnaval (sempre em fevereiro) as ruas se enchem de corsos e comparsas “Y están las carpas, la máscara, el disfraz y el juego con agua, harina o pintura hasta la embriaguez”. Nas quebradas e vales, o grande barato (sem trocadilho) é o desenterro do diabinho, ao som do erke (uma espécie de corneta mapuche), do charango (instumento de corda feito com o casco de um tatu) e do tambor.

Empanadas, locro y mucho más


Ler um cardápio naquelas bandas pode ser uma aventura. Se você pedir tamales, humitas, carne de llama ou de cabrito, acompanhado de um bom vino de Cafayate, vai lamber os beiços! Vou tentar ser didática com o carro-chefe da comida criolla:


Foto: MB - Aqui só faltou o maíz capia (milho branco)

Locro (digamos, quase a nossa dobradinha) - cozido feito com milho, poroto (feijão branco), carne y tripa gorda de vaca (nem vou traduzir….), cerdo, pimentão, cebola de verdeo (salsinha) e ají (pimenta).
Humita (digamos, pamonha) – massa de cebola, pimiento, pimentão, alfafaca, sal, ají e queijo de cabra, envolta em uma folha de espiga de milho.
Tamal (digamos tamales, sempre no plural, já que é impossível comer um só) – massa de farinha de milho, carne de vaca, carne seca, ovo, uva pasa, pimentão, alfafaca, sal, ají , cominho... É bom para caramba.
Frangollo (digamos, nossa canjiquinha ou quirera)
Chanfaina (digamos, picadinho de cabrito)
Carbonada de zapallo (digamos, carne seca com abóbora)

Foto: MB - forno na rua, em Tilcara

Ainda não entendo muito bem a diferença entre pimiento, pimentón e morroto ou entre choclo e maíz, mas sei que eles abusam divinamente dos temperos e a empanada recheada com carne picadinha e assada é o ohhhhhhhhhhhhhhh!!!!