Páginas

Mostrando postagens com marcador roteiros. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador roteiros. Mostrar todas as postagens

6.4.10

RIO SEM SAMBA, CARNAVAL E FUTEBOL

Costumo dizer que tenho um roteiro básico para rever o Rio de Janeiro em três dias e dele não abro mão. Isso inclui, com alguma variação, uma circulada pelo centro da cidade, outra pela zona sul e dependendo da oferta de show, uma noite na Lapa, na Fundição Progresso. Barra da Tijuca? Dispenso, só vou lá para encontrar os amigos, vez ou outra uma reunião de trabalho ou ir à praia, claro. Tudo isso com muito sol, suor, alegria e alguma bebida refrescante!
FOTO MB: LAGOA RODRIGO DE FREITAS
Por volta das nove da manhã ainda é possível caminhar sem se abater pelo calor na Lagoa Rodrigo de Freitas e decidir se vale esticar a caminhada até o Jardim Botânico - Parque Laje - Gávea ou seguir para a dobradinha Ipanema - Leblon. Digo caminhada, mas é melhor alugar uma bicicleta ou ir de carro. Não é tão perto assim...

A primeira opção requer afinidade com a natureza. No Parque Laje, além da caminhada pela área verde, vale a visita ao Palacete que abriga a Escola de Artes Visuais e o bistrô, que permite um bom café à beira da piscina. Logo adiante, pela mesma calçada, chega-se ao Jardim Botânico. Veja, são vizinhos, mas estou falando de quase 500 metros de distância.  O JB do Rio é considerado um dos maiores do mundo, com mais de 3 mil espécies diferentes de plantas e recantos deliciosos para descansar, ver o Cristo Redentor e conhecer um pouco mais da história do Jardim. É garantia de lindas fotos e horas de relaxamento. Vá com tempo, pois são mais de 500 hectares, vários pontos de interesse, Museu e estufas. 

Ainda no sentido da Gávea, passando pelo Jockey Club, logo se chega ao Baixo Gávea (que é sempre muito animado) e o Shopping da Gávea - que de tão tranquilo faz você esquecer que está em um shopping. Nele dou uma olhadinha nas lojas descoladas de roupas, de presentes, de casa e decoração e almoço por lá mesmo. Como o shopping não tem praça de alimentação e os restaurantes estão espalhados pelo térreo, almoço em paz. Dou uma conferida nas peças em cartaz no Teatro e quase sempre encontro um ex-colega de trabalho do Jardim Botânico. Adoro!
FOTO MB: SALADINHA NO RESTAURANTE GULA GULA | SHOPPING DA GÁVEA
Refeita da caminhada matinal, hora de seguir pela Marquês de São Vicente em direção ao Instituto Moreira Sales: o espaço é um primor, a programação do cinema e as exposições sempre surpreendem.
FOTO MB: O IMS TEM PROJETO DE OLAVO REDIG DE CAMPOS | JARDINS DE BURLE MARX | ACERVO COM FOTOGRAFIAS DE MARC FERREZ | BISTRÔ | LIVRARIA
A segunda opção de caminhada, a dobradinha Leblon - Ipanema,  requer afinidade com a praia ou com as lojas descolados do Rio. Na beira mar, a água de coco é imbatível e as atrações ficam por conta das escolinhas de vôlei, futebol e surf e o Baixo Bebê, se for o seu caso. A visão do Morro Dois irmãos, do Arpoador e de belos prédios luxuosos da orla também desperta a atenção. Nas ruas transversais a impressão que se tem é que o bairro parou no tempo, exibindo pequenos prédios charmosos e de fachadas bem cuidadas. Pelo paladar saudosista, gosto de ir ao Bracarense e ao Jobi. Da safra mais nova, o Vinil, na Dias Ferreira é garantia de bons drinks, assim como o NOI, na Conde de Bernadote, reduto boêmio do bairro desde os anos 90.
FOTO MB: O CÉU AZUL DAS 7 DA MANHÃ | PRAIA DO LEBLON | DOIS IRMÃOS | JOÁ | MORRO DO VIDIGAL
Se rumo para o centro da cidade, diante da Igreja da Candelária decido se vou ao Beco da Sardinha ou ao Arco do Teles, ou seja, se vou no sentido da Praça Mauá ou da Praça XV. A segunda opção favorece uma espiadinha no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB, na Casa França Brasil e no Centro Cultural dos Correios. Mesas e cadeiras invadem a Rua dos Mercadores até o Arco do Teles
FOTO MB: IGREJA DA CANDELÁRIA
Na Praça XV, entre o Paço Imperial e o Palácio Tiradentes, a circulação de pessoas é intensa. Muita gente está indo para Niterói, pelo terminal das barcas. Sigo pela Rua da Assembléia até a Avenida Rio Branco, a tempo de ver no Largo da Carioca a Igreja de Santo Antônio. Ao longo da Avenida, o Museu Nacional de Belas Artes, o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional, a esquina da Chile... respiro o Rio de Janeiro. Chego ao Odeon para encontrar os amigos da faculdade. É um hábito que se repete desde o 1991.

FOTO MONTAGEM MB: RUA DOS MERCADORES | ARCO DO TELES | PAÇO IMPERIAL
Na direção da Praça Mauá há o Boulevard Olímpico e isso merece um post próprio. Mas pode-se chegar ao Beco da Sardinha por ruas paralelas à Presidente Vargas, não sem antes entrar no Paladino.
 FOTO MB: A CASA PALADINO É, DESDE 1906, MERCEARIA, ARMAZÉM E BOTEQUIM | RUA URUGUAIANA, 224
No terraço do Botafogo Praia Shopping encho os olhos com a vista da Marina e do Pão de Açucar. De lá, vou direto para o Forte de Copacabana, pelo Túnel Novo, seguindo pela orla do Leme ao Arpoador. Tomo um suco na Confeitaria Colombo, só para admirar a vista, pois tenho um nhoque da fortuna em Vila Isabel, no berço do samba e de Noel, às sete da noite.
FOTO MB:NO TERRAÇO DO BOTAFOGO PRAIA SHOPPING... COLOQUEI LADO A LADO AS DUAS FOTOS. ANOS DEPOIS ME HOSPEDEI NO RECÉM-INAUGURADO YOO2 E A VISTA DO QUARTO ERA QUASE A MESMA
FOTO MB: BONITO DE QUALQUER ÃNGULO E EM QUALQUER ÉPOCA DO ANO
Quando penso em um dia dedicado à nostalgia o endereço certo é a COBAL do Humaitá. Por lá perambulo pelos pequenos corredores de frutas, vejo flores, compro os pãezinhos do Farinha Pura e uma torta de nata da Torta e Cia. Os bares e restaurantes já estão em funcionamento. Tudo aos pés do Redentor. Revejo a ex-casa do maridão, o jardim de infância dos sobrinhos, o casario da São Clemente e o Largo dos Leões. De lá posso apliar a caminhada e alcançar a Lagoa, onde o dia começou. Ponho tudo isso na mala e volto feliz para casa, em Curitiba.
FOTO MB: COBAL DO HUMAITÁ

POSTAGENS RELACIONADAS:


RIO DE JANEIRO FAZ 448 ANOS