Páginas

Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens

28.8.10

SAUDOSA: OH, MALOCA!

Voceis pensam que nóis fumos embora
Nóis enganemos voceis
Fingimos que fumos e vortemos
Ói nóis aqui traveis
Nóis tava indo
Tava quase lá
E arresorvemo
Vortemos prá cá
E agora, nóis vai ficar fregueis
Ói nóis aqui traveis

20.4.10

TANGO DE MIÉRCOLES

FOTO MB: Corrientes

Hoje me pediram dicas de Buenos Aires e resolvi publicar uma que considero preciosa para quem vai enforcar Tiradentes por lá: Tango de Miércoles - um Projeto do Centro Cultural de la Cooperación Floreal Gorini - Av. Corrientes, 1543. É claro, tango da melhor qualidade, para portenhos. Na primeira vez que lá estive, conheci o trabalho do trio Cuesta Arriba, dias antes de su séptima gira europea. Sem dúvida, muito bom!

FOTO MB: Corrientes - Que tal assistir O segredo dos seus olhos na fonte?

27.2.10

SALTA, DA MÚSICA E DOS SABORES REGIONAIS

Música é o que não falta na cidade. Todas as noites vários grupos se apresentam no “calçadão” dos bares, ou seja, ao redor da Plaza 9 de Julio. Durante o consumo de uma única garrafa de cerveja Salta ( a negra é mais saborosa) é possível ouvir El condor pasa de várias maneiras: cantada em espanhol ou em quíchua, tocada em guitarra ou em zampoña, nas caixas de som "estacionadas" nas esquinas... Além disso, os restaurantes fazem vasta divulgação de peñas (ato de comer parrilla ao som de música gaúcha e dança): La Vieja Estación, La Panadería del Chuña e La Cacharpaya, são espaços muito populares.
Foto: MB - na Plaza 9 de Julio, um convite para la zamba

No carnaval (sempre em fevereiro) as ruas se enchem de corsos e comparsas “Y están las carpas, la máscara, el disfraz y el juego con agua, harina o pintura hasta la embriaguez”. Nas quebradas e vales, o grande barato (sem trocadilho) é o desenterro do diabinho, ao som do erke (uma espécie de corneta mapuche), do charango (instumento de corda feito com o casco de um tatu) e do tambor.

Empanadas, locro y mucho más


Ler um cardápio naquelas bandas pode ser uma aventura. Se você pedir tamales, humitas, carne de llama ou de cabrito, acompanhado de um bom vino de Cafayate, vai lamber os beiços! Vou tentar ser didática com o carro-chefe da comida criolla:


Foto: MB - Aqui só faltou o maíz capia (milho branco)

Locro (digamos, quase a nossa dobradinha) - cozido feito com milho, poroto (feijão branco), carne y tripa gorda de vaca (nem vou traduzir….), cerdo, pimentão, cebola de verdeo (salsinha) e ají (pimenta).
Humita (digamos, pamonha) – massa de cebola, pimiento, pimentão, alfafaca, sal, ají e queijo de cabra, envolta em uma folha de espiga de milho.
Tamal (digamos tamales, sempre no plural, já que é impossível comer um só) – massa de farinha de milho, carne de vaca, carne seca, ovo, uva pasa, pimentão, alfafaca, sal, ají , cominho... É bom para caramba.
Frangollo (digamos, nossa canjiquinha ou quirera)
Chanfaina (digamos, picadinho de cabrito)
Carbonada de zapallo (digamos, carne seca com abóbora)

Foto: MB - forno na rua, em Tilcara

Ainda não entendo muito bem a diferença entre pimiento, pimentón e morroto ou entre choclo e maíz, mas sei que eles abusam divinamente dos temperos e a empanada recheada com carne picadinha e assada é o ohhhhhhhhhhhhhhh!!!!

16.6.07

Do fundo do Baú


FOTO MB: ACERVO

Olha aí o exemplo da discografia do meu pai. Foi com esses bolachões que eu tomei gosto pelo bolero. A arte das capas é maravilhosa. Gente, é tudo muito vermelho mesmo e o esmalte é verde-amarelo-abacate.